21.12.07

primeiros socorros 2


os restaurantes melancólicos desde que sei andar entre as cadeiras como se dançasse a música japonesa de sempre, sempre a mesma que será uma incógnita;
como era
aquela
música
japonesa?


não há letra.
à procura engasguei surpresa com um ossinho ou susto ou palavras

primeiros socorros 1

quando há alguém passando por perigo físico, minha reação mais sincera é fechar olhos, ouvidos e correr na direção contrária. não quero ver o joelho de tamires borbulhando. não quero ver a tosse comprida de tamires. não quero ver a carne do almoço de tamires, a mancha de xarope. não quero ver tamires.


19.12.07

basquetebol

não traga presentes como
armadilha pra dizer que
irá cometer um crime meu
maior medo não é esse é
que alguém se aproxime
arremessando uma bola

14.12.07

t-t-taquicardia

é como quando perguntam sua banda preferida
e você não consegue lembrar o nome de
nenhuma

12.12.07

os tecidos leves

enrolada na toalha
de mesa do melhor
restaurante até
hoje

olhei dura-
nte muito tempo pro
branco do prato estive
longe

11.12.07

os elefantes nunca se esquecem

este poema anda
ao contrário, anda
negativo

este poema quer estrelas
no caderno, um carimbo
de sorriso

este poema vende
balões no zoológico
a contragosto, indeciso

ambulâncias



abandono os deveres
e sabonetes pela metade
que sempre acabam sendo
um grande desperdício

7.12.07

todos os fogos o fogo

essa semana no portal literal, leandro & seus fogos de artifício conceituais!

bem sei que a internet é assustadora de tão surpreendente. estou usando adjetivos chatos pra dizer que tem muita coisa legal por aí. poesia, por exemplo, tem sido a coisa mais legal. e traz pessoas, o que é mais legal ainda. legal é um adjetivo simplório, mas

vocês entenderam.

abraços!
(aquelas que só são calorosas quando estão felizes)

4.12.07