26.10.08

verão cruel


cheiro doce de protetor solar
ruído branco de ventilador
poros abertos
tonturas
alcinhas

23.10.08

caindo na real

estou no inferno astral e sem internet.
estou no inferno astral, sem internet e, apesar dos esforços, não sou a winona ryder.

admiro aqueles que, quando nada dá certo, mantêm o bom humor.
ajustam os óculos na parte do meio, nunca as dos cantos, e lêem.
quem lê viaja.


os livros lá em casa (estou numa lan house chamada tribal, dentro do supermercado) esperam, são pacientes, mas toda vez que tento abrir o armário voam na minha cara uns papéis com desenhos feitos a lápis e dedicatória, dois pontos e, ai, meu nome.
imediatamente esqueço os livros e olho pros papéis durante horas.

9.10.08

beco das ilusões perdidas




adeus, UEM, adeus

4.10.08

esqueleto


os fones continuam pulando dos meus ouvidos, mas o G1 diz que não estou só:

Ninguém fala a respeito, mas um pedaço considerável da população não possui a formação cartilaginosa própria para manter fones no lugar. (Eu estou entre eles. Não conte a ninguém.) Que tal um pouco de compaixão por esses recorrentes sofredores? Onde estão os grupos de auto-ajuda? Onde estão as campanhas pela televisão?

onde?

resta saber se as soluções tecnológicas são tão inofensivas quanto fones pulando. eu, ignorante, não simpatizo com nada que mexa com meus OSSOS:

(os novos) São fones de ouvido de condução por ossos, significando que passam o som diretamente por seu esqueleto até seu ouvido interno, ultrapassando o tímpano.

ah, deixa, melhor não.



2.10.08

aquecedor

você anda mesmo
muito cansado,
precisando de colchões
de mola, macios
mas só o que vejo
é um rapaz magro
diariamente com os
mesmos agasalhos
e gaspar, o gato
que morreu pneumônico
enquanto alguém tomava
banhos muito longos
naquele ano

1.10.08

um peixe chamado wanda

descobri
que waldemar
se escreve com w
e ainda mora
na mesma cidade
com a mãe