16.7.09

poema do vento

não é preciso ter intuição de dale cooper pra enxergar as conexões simbólicas da rotina e algo de angelo badalamenti & corujas traiçoeiras no disco novo do mount eerie, cujo lançamento oficial acontece em agosto. basta conhecer o ventilador de uma das casas de twin peaks e colecionar as pistas em cada uma das músicas de phil elverum em wind's poem. a mais óbvia está na oitava faixa, between two mysteries, mas todas as outras têm nomes dignos daqueles poemas místico-eróticos que a laura palmer escrevia em seu diário: through the trees, wind speaks, my heart is not at peace e por aí vai. laura não morreu, mas escreve as letras do mount eerie.
dizem que o vento, grande símbolo das paisagens etéreas, foi a inspiração inicial dos criadores de twin peaks quando a série nem tinha enredo ou personagens escritos: eles teriam vendido a ideia do piloto só descrevendo o assobio de um vendaval. parece que a afinidade entre a mesma força da natureza e o tal elverum decolou depois de uma nova temporada numa cabana na floresta, embora já aparecesse em seus trabalhos anteriores. já sabemos quais DVDs ele levou pra relembrar os velhos tempos, que são os mesmos de eerie indiana, aquela série do menino envolvido com enigmas numa outra cidadezinha americana.
diane, aqui vai uma teoria: mount eerie visivelmente se conecta a eerie indiana, que, por sua vez, já citou até a senhora do tronco de twin peaks, agora cenário desse disco do mesmo mount eerie.



7.7.09

outra linha

tinha 16 anos e pouca intimidade com a internet quando li pela primeira vez a antologia 26 poetas hoje, organizada pela Heloísa Buarque de Hollanda e publicada em 1976. depois disso tudo mudou, enquanto eu descobria que Roberto Piva, Francisco Alvim, Waly Salomão, Chacal e Ana Cristina Cesar não foram históricos só na minha vida.

se fizesse uma viagem no tempo pra contar pra mim, lá no interior do interior, que em alguns anos eu faria parte de uma antologia - daquelas que eu tanto amava - organizada pela mesma Heloísa Buarque de Hollanda, eu provavelmente teria morrido de susto e não estaria aqui.

mas estou. depois de algumas publicações acidentais na internet e em jornal, minha primeira e talvez única em livro (por isso toda a comoção que não volta mais) é na antologia otra línea de fuego: quince poetas brasileñas ultracontemporáneas. lançada na espanha pelo selo maRemoto, é uma edição bilíngue, na qual as 15 poetas selecionadas têm 13 poemas em português e também na bonita tradução para o espanhol da poeta e dramaturga Teresa Arijón.

é muita alegria dividir um livro com essas mulheres. é sério e são sérias: Alice Ruiz, Alice Sant'anna, Ana Cristina Cesar (sim), Angela Melim, Angélica Freitas, Bruna Beber, Camila do Valle, Claudia Roquette-Pinto, Daniela Storto, Izabela Leal, Juliana Krapp, Lu Menezes, Marília Garcia e Virna Teixeira.

fiquem com a foto e alguns poemas em espanhol.
quando eu souber como comprar, aviso aqui.
o livro é lindo (e não pela minha presença, é óbvio).

abraços pra elas e pra todo mundo.



buenas noticias
hisopos nunca compra
el repartidor de periódicos
semidespierto en arrebatos
destruyendo tal vez la artesanía
recién producida por ex-criminales
en trance

cotton algodón candy dulce
jobson con su nombre raro tenía
el cabello lateral como un príncipe
- jugábamos al escondite
(yo) terminaba por hacer pipí entre las plantas
muy tensa y perfectamente escondida
después lidiaba con la vergüenza
de la mancha en el cotton del pantaloncito
pero ganaba el juego y ahí estaba
la alegría