23.3.11

poltrona 29

os tapetes diante de portas
nunca por você visitadas
estendendo as franjas
em convite

há quem comente
que bonito é conhecer
o mundo em quantidade
visitar países distantes
passar por aqui antes

há quem acredite
que não há pra onde
levar pra longe

as bolsas de pele
embaixo dos olhos de
quem você não conhece

5 comentários:

Ricardo Siqueira disse...

"não há pra onde
levar pra longe"

Isso por si só já valia um poema. Sério.

Michel Gomes disse...

Gostei muito desse. Da pra imaginar a paisagem na janela, passando. (ao menos pra mim)

=D

Leonardo Bomfim disse...

Esse poema já me fez voltar aqui três vezes pra ler. Acho que já decorei, mas ler novamente é outra coisa.

Tiago Fernando. disse...

bolsinha nos olhos
ame-as
ou
deixe-as
não é isso? ahhahaha sua fofa.

Mais1Livro disse...

Ana,

queremos publicar "poltrona 29" na seção Verso Livre do Mais1Livro,

topa?

mais1livro@gmail.com