28.7.08

sonhos no meu e-mail

(r. c. , com quem eu não sabia que dançaria no sábado, escreveu e me enviou ontem)

era noite e era seu aniversário. estávamos bem longe de novembro. sua casa em santa catarina tinha umas portas de vidro, cheia de retratos grandes nas paredes.
seu quarto ficava ao lado de um banheiro e era bem mais alto do que a casa. eu entrava sem querer e adivinhava umas coisas guardadas em caixas bem finas como as de camisa e aquelas caixas estreitas para teclados. você às vezes entrava e dizia "o que estão fazendo aí? não mexam", com aqueles olhos que você sabe fazer. falava sobre eu conversar com um amigo velho dos seus pais que era médico e cobrava muito caro. falava que ele era muito legal e que poderia nos levar para londres. eu sorria. você depois me disse sobre pessoas sempre deixarem marcas e coisas fora do lugar na casa, depois da festa.
sua mãe tinha umas gaiolas com aqueles arames trançados esquisitos, sem nada dentro, você apontava para os outros.

e a loucura maior veio depois: não sei como, mas espaço e tempo se cruzaram na memória e você - e nós - estávamos em outra casa, não era festa mas os corredores estavam cheios de gente. você era nada mais do que hilda (hilst) e me chamava, pegava nas minhas mãos e dizia: "que unhas!" e outras coisas.

como hilda e ainda guadalupe - e não sei explicar como - você autografava uns livros para enviar para conhecidos; eu às vezes me afastava e ouvia você falar de longe em inglês com um amigo que se vestia com umas roupas brancas e meio orientais.

sentados na mesa, em lados opostos, você me perguntou de qual signo eu era, e me aconselhou a mostrar escritos para você - ela - ler com uns olhos mais maduros. eu não dizia muita coisa, mas concordava. eu sorria e sei lá mais o que fazia - não via meu rosto, mas sabia que sorria - para depois, você, toda eufórica e até mais jovem, me conzudir para uma lan house esquisita e mostrar assim, a esmo - sentada no colo de um moço que já estava lá - umas fotos de procissões, umas fotos de você com os braços enrolados nuns cordões brancos sagrados olhando para o nada e outras coisas assim.

em breve, saíamos dali para andar perdidos pelas calçadas e você a falar que era preciso viver mais fundo e outras coisas que não lembro muito bem porque já estava dormindo na superfície. e fui acordando com as imagens e as palavras muito nítidas de tudo. desci as escadas e agora aqui.
numa quinta-feira chuvosa,
com a boca seca, sem muito questionar por que te escrevo
- depois de tanto tempo.
mas achando que foi tudo muito bonito.

3 comentários:

amanda. disse...

ha tempos não recebo - ou leio - emails assim.

Cecília Borges disse...

ah,
com certeza foi tudo bem bonito!
um bj, ana.

Guiga disse...

delicadezas.